Notícias

Brasil ultrapassa 30 homicídios por 100 mil habitantes, diz Atlas da Violência 2018

Novos dados que mostram a gravidade da violência no Brasil foram divulgados, e estão ganhado grande repercussão na mídia nacional desde o dia 5 de junho. Com aumento da marca de 30 homicídios por 100 mil habitantes, o Atlas da Violência 2018 expõe a problemática, em diversos aspectos, e sinaliza a premência de ações efetivas por parte das autoridades públicas para reverter o aumento da violência e da criminalidade.

Produzido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, o estudo calcula 62.517 homicídios em 2016, ano base da análise. O número atingido no país, significa 30 vezes mais casos que o observado na Europa no mesmo período. Entre 2006 e 2016, 553 mil pessoas perderam a vida, em território nacional, por conta da criminalidade. Quando se considera o período de 1980 a 2016 e o uso de armas de fogo, a quantidade de casos salta para 910 mil mortes.

A taxa foi heterogênea entre 2006 e 2016, por Estado, variando de uma redução de 46,7% em São Paulo a um aumento de 256,9% no Rio Grande do Norte. As regiões Norte e Nordeste tiveram os índices mais elevados, e no topo da lista estão: Sergipe, com 64,7%; Alagoas, com 54,2%; Rio Grande do Norte, com 53,4%; e Pará, com 50,8%. Em seguida aparece o Amapá, Pernambuco e a Bahia, com variações entre quase 49% e 46,9%. No sentido contrário, São Paulo, Santa Catarina e Piauí obtiveram menos ocorrências.

Mais da metade homicídios no Brasil, ou 56,5%, foram de homens entre 15 a 19 anos. Com aumento de 7,4%, em relação a 2015, o número de jovens assassinados chegou a 33.590, sendo 94,6% deles do sexo masculino. De todas as pessoas assassinadas, 71,5% eram pretas ou pardas. Segundo o Atlas, a taxa de homicídios de negros foi duas vezes e meia superior à de não negros, com 40,2% e 16,0%, respectivamente. Os casos de assassinato de mulheres também cresceram 6,4%, entre 2006 e 2016.

A edição 2018 do Atlas da Violência apresentou ainda os registros administrativos de estupro no Brasil. Conforme informações do 11º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, em 2016, as polícias brasileiras registraram 49.497 casos de estupro. Número que contrasta com os 22.918 incidentes desse tipo reportados no Sistema Único de Saúde. O Atlas sinaliza: as duas bases de informação possuem subnotificação.